Tabus e debates: falhas

Coisas ruins acontecem com pessoas boas – e a justiça nem sempre é válida. Há dois ou três dias atrás, navegando pelo Youtube, encontrei um vídeo sobre presidiários que não deveriam receber tal “título”. Eles eram inocentes e perderam dez, vinte, trinta anos de suas vidas apenas por estarem no lugar, no dia, na década errada. É avassalador perceber a necessidade que a sociedade tem de encontrar um culpado – ou melhor, alguém em quem colocar a culpa. Existem casos e mais casos arquivados. Existem casos e mais casos cujas provas são insuficientes e inválidas. Dizem que há corrupção dentro do sistema, mas também há falta de humanidade. Pessoas perdem suas identidades e, como “recompensa”, recebem números. Recentemente, no Brasil, houve dois casos que ganharam notoriedade – o de uma modelo e o de um DJ. Ambos foram presos injustamente, sendo que um deles estava há quilômetros de distância de onde o crime foi cometido. Já disse e repito: eles precisam apontar o dedo e indicar um culpado – geralmente alguém que faça parte dos grupos marginalizados, ou seja, das minorias. O que lhes pergunto é: eles merecem/mereceram estar em uma posição como essa?


Inspiração para o texto: The Green Mile

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s